Aromaterapia

Postado em Categoria: Flores & Aromas

Há mais de seis mil anos, alguns povos já conheciam o poder das substâncias aromáticas. Em toda a história da civilização humana, as plantas medicinais e aromáticas foram utilizadas para purificar e perfumar ambientes, para afastar maus espíritos, tratar de problemas da pele, tratar de problemas físicos como no uso das infusões, nos processos de mumificação no antigo Egito, nos banhos romanos, etc.

Flores, folhas, raízes, cascas, resinas e sementes eram utilizadas para produzir medicamentos naturais.Mas foi no século XX,que o termo aromaterapia surgiu pela primeira vez através do químico francês René Maurice Gattefossé, o qual interessou-se pelo uso terapêutico dos óleos essenciais após ter queimado severamente sua mão em uma explosão no laboratório da família. Havia por perto um vidro de óleo de Lavander. Usou-o instintivamente sobre o ferimento e ficou impressionado com o resultado.

A aromaterapia, é uma terapia milenar que utiliza óleos essenciais 100% puros, que além de atuarem no bem-estar do corpo, fortalecendo o físico, equilibrando a mente e as emoções, despertando a espiritualidade, trata também dos ambientes, auxiliando na harmonização do padrão vibracional. Os aromas podem melhorar o ambiente de trabalho: escritórios, consultórios, loja, etc, pois podem influenciar humores e comportamentos, influenciando positivamente nas negociações. Os seres humanos respondem aos aromas e odores de forma emocional e intelectual, assim estudos comprovaram que alguns aromas podem estimular reações de calma, agressividade, sexualidade, compulsão e diminuição da dor.

Dos cinco sentidos humanos – visão, audição, tato, paladar e olfato – o olfato é o mais primitivo – provocando reações instantâneas e difíceis de controlar. Ao penetrar pelas narinas, um aroma vai direto até a área responsável pelas emoções e sensações. Por isso os odores têm enorme capacidade de ressonância, evocação e associação, avivando nossas lembranças,mexendo com nosso humor e nosso metabolismo. Suas formas terapêuticas incluem deliciosas massagens, banhos relaxantes, a utilização de aromas nos ambientes de casa e do trabalho para aumentar a intimidade, a criatividade, a concentração, a paz interior ou outra característica que a pessoa deseje.

O efeito terapêutico dos óleos essenciais se deve às suas estruturas moleculares bastante complexas, que possuem em média, 300 elementos químicos em constante interação. Agem no corpo humano de várias formas:

– sobre a pele: (por penetração cutânea): protegem, desintoxicam e regeneram,. Os óleos essenciais aplicados na pele entram pelos poros e chegam à corrente sanguínea, ao sistema linfático, músculos e órgãos.

– pelas vias respiratórias: agem como expectorantes, descongestionantes e desinfetantes.

– pelo olfato: penetram sem barreiras em nosso sistema nervoso central, Através do qual, nossos nervos olfativos assimilam o odor dos óleos essenciais, que em poucos segundos é levado por células especializadas ao sistema límbico (área cerebral onde se processam as informações do olfato e também responsável pelas emoções). O sistema límbico está intimamente ligado ao hipotálamo, região no centro do cérebro que coordena os estímulos que vão desencadear respostas em todo o corpo. Nessa região são produzidas as sensações de sede, fome, sexualidade, memória, entre outras. Ao utilizar os óleos essenciais, reativamos todos esses instintos mais primitivos do ser humano. Cada óleo essencial se divide em grupos químicos com diferentes propriedades. Assim, cada tipo exerce uma função.

Nem todos os Óleos Essenciais possuem aroma agradável ao olfato, apesar das suas propriedades terapêuticas. Portanto, costuma-se utilizar a técnica da Sinergia – que consiste em misturar até no máximo 4 Óleos Essenciais – para obter-se um aroma diferenciado e pessoal, mantendo ou até potencializando a ação terapêutica desejada.

Métodos de extração: Destilação a vapor d’água, pressão a frio e enfleurage.

Os Óleos Essenciais são procedentes dos mais variados cantos do mundo e seu preço é sempre elevado e individual quando comparado à grande maioria das essências comercializadas no mercado – que, ao contrário dos Óleos Essenciais, são produzidas sinteticamente em laboratório – possuindo em geral um cheiro agradável, mas destituídas de qualquer propriedade terapêutica.

Abaixo citamos alguns exemplos de óleos essenciais de flores:

Óleo essencial de Jasmim: – são necessários cerca de oito milhões de flores, colhidos à mão, logo ao amanhecer, para extrair apenas um quinto de óleo essencial. È por isso que ele é um dos mais caros do mundo e é usado na preparação dos mais valiosos perfumes. Considerado o Rei das Flores o jasmim é muito apreciado por seu aroma romântico, exótico que proporciona bem estar. Para os hindus esta flor é intimamente ligada ao amor e à sensualidade. Seu óleo é muito usado em massagens sensuais e é um dos melhores afrodisíacos que a aromaterapia pode ter.

Lavanda: – O óleo é extraído das extremidades que contenham flores. A lavanda é cultivada no sul da Europa e em locais afastados da Austrália e Bretanha. È excelente para aliviar insônia, tensão, cansaço ou depressão, problemas de pele e odores. Por ser tão suave pode ser aplicada semdiluiçãosobre queimaduras. Diminui cicatrizes e é ótima para picadas de insetos.

Ylang Ylang:-

O óleo é extraído de flores frescas e totalmente desenvolvidas, que são colhidas, de preferência, ao romper do dia. Assim como o óleo de Jasmim, é considerado um poderoso afrodisíaco, aguçando os sentidos. Pode ser aplicado em massagens ou simplesmente vaporizando o ambiente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *